Estamos nas Redes

GOVERNO FEDERAL

Decreto veda aquisição pela administração pública de bens de consumo classificados como artigos de luxo

Publicado

on

Medida estabelece critérios para que esses bens sejam classificados nas categorias qualidade comum e qualidade de luxo 

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, editou Decreto que regulamenta a nova Lei de Licitações (Lei nº 14.133, de 2021) estabelecendo critérios para que bens de consumo sejam classificados nas categorias qualidade comum e qualidade de luxo. 

Não será classificado como bem de luxo aqueles cuja qualidade superior decorra da estrita necessidade de atender competências finalísticas específicas do órgão ou entidade. Por exemplo: computador com configuração acima da média poderá ser adquirido se caracterizada a necessidade para atender as demandas do órgão ou entidade. 

O critério econômico de alta elasticidade-renda da demanda – que pode ser explicado como o aumento da aquisição do produto em proporção maior que um possível acréscimo de renda –  será o critério adotado para a definição de bem de luxo. Esse critério será identificável por meio de características tais como: 

a) ostentação; 

b) opulência; 

c) forte apelo estético; ou 

d) requinte; 

Os bens de consumo que restarem classificados como de luxo segundo os critérios do decreto terão a aquisição vedada. 

A norma se aplica no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. No âmbito dos demais Poderes, dos demais entes federados e das empresas estatais. O Presidente da República não tem poder para dispor a respeito. Também cumpre ressalvar que a norma trata apenas de bens de consumo, não se aplicando a bens permanentes ou a serviços. 

 

Ministério da Economia

E-mail: [email protected]  

Site: https://www.gov.br/economia/pt-br 

 Divulgação: Coordenação Geral de Relacionamento/SECOM

Publicidade

Facebook