Estamos nas Redes

Prefeitura

Prefeitura realiza serviços de reposição manual de pedras portuguesas na Ponta Negra

Publicado

on

Mais de 1.500 metros quadrados das tradicionais pedras portuguesas que fazem os desenhos em curvas e retas do complexo turístico Ponta Negra, zona Oeste, passam por recomposição e reposição com serviços da Prefeitura de Manaus. Em razão das chuvas fortes no período de janeiro e fevereiro, o trabalho delicado acaba mais comprometido, mas é realizado diariamente.

A recomposição é feita de forma manual para restaurar áreas do grande calçadão onde as rochas de calcário e basalto portugueses acabam se deslocando no piso, sendo repostas uma a uma. Por ser mais rústico e com formas orgânicas, o piso traz um sentimento de memória afetiva.

“O trabalho de manutenção, determinado pelo prefeito David Almeida, é necessário e feito periodicamente no espaço, deixando o parque público ordenado e com os cuidados preventivos e de correção”, explicou o diretor-presidente do Implurb, engenheiro Carlos Valente.

A manutenção tem supervisão da comissão do parque, via Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), órgão responsável pela gestão do complexo. Uma média de 55 a 100 metros quadrados são repostos, por dia. O parque ainda passa por serviços de manutenção no prédio administrativo, com lavagem de jato de alta pressão nas paredes externas; limpeza e desobstrução da laje e calhas do prédio; pintura e manutenção nos equipamentos, limpeza geral e retirada de entulhos.

Desenho

Com um traçado sinuoso, que lembra o Encontro das Águas dos rios Negro e Solimões, o calçadão tem desenhos em pedras portuguesas, semelhante aos que foram usados pelo paisagista e arquiteto Burle Max em obras pelo Brasil, usando o padrão de ondas de praças em Lisboa, em Portugal.

Na Ponta Negra, os desenhos são geométricos e em ondas sinuosas, conferindo ao espaço um piso antiderrapante, que tem mais absorção de águas pluviais e retém menos calor.

As pedras portuguesas apareceram primeiro em calçadas de Manaus, no largo São Sebastião, em frente ao Teatro Amazonas, entre 1901 e 1905. No Rio de Janeiro, onde os mosaicos são bastante comuns, alguns são herança do período em que a cidade era a sede do Império.

A técnica de desenhar pavimento com pedras foi consolidada em Portugal no século 16. Posteriormente os mosaicos ganharam cores em contraste e desenhos mais exuberantes. A partir do século 19 a herança lusitana se estendeu para outras cidades brasileiras como Manaus, Belém, Salvador, Curitiba, Florianópolis, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outras.

Texto – Claudia do Valle / Implurb

Foto – Divulgação / Arquivo Semcom

Publicidade

Facebook