Estamos nas Redes

Justiça

Chacina em Manaus: Réus da Rocam usarão tornozeleiras eletrônicas aguardando júri popular

Publicado

on

O Judiciário do Amazonas determinou que os 16 policiais militares da Rocam, anteriormente detidos por envolvimento em uma chacina ocorrida em Manaus em dezembro de 2022, serão levados a julgamento popular. As prisões foram revogadas, e os acusados deverão utilizar tornozeleiras eletrônicas durante o aguardo do julgamento.

A acusação foi apresentada pelo Ministério Público do Amazonas (MPAM) em 8 de março, sendo assinada pelos promotores de Justiça Armando Gurgel Maia, Clarissa Moraes Brito, Lilian Nara Pinheiro de Almeida e Marcelo de Salles Martins.

Em 22 de março, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) aceitou a denúncia, transformando os policiais em réus do caso. Na decisão do juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Lucas Couto Bezerra, do último sábado (4), a prisão preventiva foi revogada, sendo impostas medidas alternativas aos réus.

“Após uma análise preliminar das evidências apresentadas na fase sumariante do processo, em comparação apenas para fins de confirmação, com os demais elementos do Inquérito Policial que embasou a Ação Penal, em estrita conformidade com o disposto no art. 155, caput, do CPP, existem indícios suficientes de materialidade e autoria delitiva para submeter o caso ao julgamento pelo Tribunal do Júri”, afirmou o magistrado.

As medidas impostas são:

  • Proibição de acesso ou frequência a qualquer lugar, público ou privado, onde os parentes das vítimas e as testemunhas ouvidas na fase inquisitorial e sumariante se encontrem;
  • Proibição de manter contato, por qualquer meio, com parentes das vítimas e as testemunhas ouvidas na fase inquisitorial e sumariante, devendo deles permanecerem distante no mínimo 200 (duzentos) metros;
  • Proibição de ausentar-se da comarca sem prévia autorização deste Juízo;
  • Recolhimento domiciliar no período noturno entre 18:00 e 06:00 horas;
  • Suspensão do exercício da função pública de Policial MIlitar, até ulterior decisão, devendo ser comunicado ao Comando Geral da Polícia Militar para o cumprimento imediato da presente decisão, com observância da perda de remuneração quanto às gratificações decorrentes do efetivo exercício da função;
  • Suspensão do direito à posse e do direito ao porte legal de arma de fogo previsto no art. 6º, §1º, da Lei 10.826/2003 ou decorrente de concessão administrativa pelo exército ou pela Polícia Federal.
  • Monitoramento eletrônico, devendo ser oficiado ao COC para a instalação dos dispositivos e encaminhamento de relatório mensal de eventuais descumprimentos.

Relembre o caso

Os corpos das vítimas – dois homens e duas mulheres – foram encontrados dentro de um carro, na manhã do dia 21 de dezembro de 2022, na rodovia AM-010, no Amazonas.

Segundo a polícia, o carro com os corpos estava na região do ramal Asa Branca, na altura do quilômetro 32. A rodovia estadual liga a capital Manaus às cidades de Rio Preto da Eva e Itacoatiara.

Além de terem sido baleadas, as vítimas estavam com diversos sinais de agressão pelo corpo.

Na tarde do dia 24 de dezembro do ano passado, 12 policiais foram presos suspeitos de envolvimento no crime. Por volta de 14h do mesmo dia, os presos chegaram à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), acompanhados de vários policiais da Rocam, grupo de polícia do qual os presos faziam parte.

Foto: Divulgação

Publicidade

Facebook