Estamos nas Redes

Internacional

Terremoto na Turquia e Síria tem mais de 21 mil mortos e ao menos 78 mil feridos

Publicado

on

Esforços de resgate seguem em andamento com a comunidade global oferecendo assistência em operações de busca e recuperação

Foto: Reuters/Stoan Nenov

O número de mortos pelo terremoto que atingiu a Turquia e a Síria na noite de domingo (5) e madrugada de segunda (6) chegou a 21.051 nesta quinta-feira (9), segundo as autoridades.

Na Turquia, o número de mortos aumentou para ao menos 17.674, com 72.879 feridos, de acordo com a Agência de Gerenciamento de Emergências e Desastres da Turquia (AFAD).

O número total de mortes na Síria sobe para 3.377 – incluindo 2.030 em áreas controladas por rebeldes no noroeste, de acordo com o grupo de defesa civil Capacetes Brancos, e 1.347 mortes em partes controladas pelo governo da Síria – de acordo com a mídia estatal síria.

O número total de feridos na Síria em todos os territórios afetados subiu para 5.245, com 2.295 nas áreas controladas pelo governo e 2.950 nas áreas controladas pelos rebeldes.

Pelo menos 78.124 pessoas ficaram feridas na Síria e na Turquia, segundo dados do governo turco, dos Capacetes Brancos e da mídia estatal síria.

Grandes esforços de resgate estão em andamento com a comunidade global oferecendo assistência em operações de busca e recuperação.

Agências alertaram que as fatalidades do desastre ainda podem aumentar significativamente.

Onde foi sentido o tremor?

Um dos terremotos mais fortes a atingir a região em um século tirou os moradores de seu sono nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, por volta das 4h [horário local].

O terremoto ocorreu 23 quilômetros a leste de Nurdagi, na província turca de Gaziantep, a uma profundidade de 24,1 quilômetros, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

Uma série de tremores secundários reverberou pela região nas horas imediatas após o incidente inicial.

Um tremor secundário de magnitude 6,7 ocorreu 11 minutos após o primeiro terremoto, mas o maior tremor, que mediu 7,5 de magnitude, ocorreu cerca de nove horas depois, de acordo com o USGS.

Esse tremor secundário de magnitude 7,5, que ocorreu cerca de 95 quilômetros ao norte do terremoto inicial, é o mais forte de mais de 100 tremores secundários registrados até agora.

As equipes de resgate agora estão correndo contra o tempo e os elementos para retirar os sobreviventes dos escombros em ambos os lados da fronteira.

Mais de 5.700 edifícios na Turquia desabaram, de acordo com a agência de desastres do país.

O terremoto de segunda também foi um dos mais fortes que a Turquia experimentou desde o século passado – um terremoto de magnitude 7,8 atingiu o leste do país em 1939, resultando em mais de 30.000 mortes, segundo o USGS.

Por que ele foi tão fatal?

Vários fatores contribuíram para tornar esse terremoto tão letal: um deles é a hora do dia em que ocorreu.

Com o terremoto ocorrendo no início da manhã, muitas pessoas estavam em suas camas quando isso aconteceu e agora estão presas sob os escombros de suas casas.

Além disso, com um sistema de clima frio e úmido se movendo pela região, as condições precárias tornaram o acesso às áreas afetadas mais complicado e os esforços de resgate e recuperação em ambos os lados da fronteira significativamente mais desafiadores após a chegada das equipes.

As temperaturas já estão amargamente baixas, mas devem cair vários graus abaixo de zero nos próximos dias.

Uma área de baixa pressão atualmente paira sobre a Turquia e a Síria.

À medida que isso avança, isso trará “ar significativamente mais frio” do centro da Turquia, de acordo com o meteorologista sênior da CNN, Britley Ritz. Nesta quinta-feira (9), a previsão cai para -6ºC.

Com aguaceiros esparsos e neve na região, o clima severo coloca risco de hipotermia a vida dos que estão presos sob os escombros – que já passaram dias sem comida e água.

Enquanto isso, as autoridades pediram aos moradores que deixassem os prédios para sua própria segurança, em meio a preocupações de mais tremores secundários.

Por que tantos prédios caíram?

Com tantos danos em ambos os países, muitos estão começando a fazer perguntas sobre o papel que a infraestrutura local pode ter desempenhado na tragédia.

“O que mais impressiona são os tipos de colapsos – o que chamamos de colapso em panqueca – que é o tipo de colapso que nós, engenheiros, não gostamos de ver”, disse Mustafa Erdik, professor de engenharia sísmica na Universidade Bogazici, em Istambul.

“Em tais colapsos, é difícil e muito trágico salvar vidas. Isso dificulta muito a operação das equipes de busca e salvamento”.

Erdik disse à CNN que as imagens de destruição generalizada e detritos indicam “que existem qualidades altamente variáveis ​​de projetos e construção”.

Ele diz que o tipo de falha estrutural após um terremoto são geralmente colapsos parciais. “O colapso total é algo que você sempre tenta evitar tanto nos códigos quanto no design real”, acrescentou.

O engenheiro estrutural do USGS, Kishor Jaiswal, disse à CNN na terça-feira que a Turquia experimentou terremotos significativos no passado, incluindo um terremoto em 1999 que atingiu o sudoeste da Turquia e matou mais de 14.000 pessoas.

Por causa disso, disse ele, muitas partes da Turquia têm regulamentos regionais de construção para garantir que os projetos de construção possam resistir a esses tipos de eventos.

Mas nem todos os edifícios foram construídos de acordo com o moderno padrão sísmico turco, disse Jaiswal.

Deficiências no projeto e na construção, especialmente em edifícios mais antigos, significam que muitos edifícios não resistiram à severidade dos choques.

“Se você não estiver projetando essas estruturas para a intensidade sísmica que elas podem enfrentar em sua vida útil, essas estruturas podem não ter um bom desempenho”, disse Jaiswal.

Erdik também disse acreditar que muitos dos prédios que desabaram provavelmente foram “construídos antes de 1999 ou com materiais mais antigos”.

Por quanto tempo as pessoas podem sobreviver de baixo dos escombros?

Apesar dos desafios crescentes, um engenheiro estrutural e coordenador humanitário instou os socorristas a não perderem a esperança, pois os sobreviventes podem ser encontrados até “semanas” após o forte terremoto atingir a região.

Kit Miyamoto, presidente da organização sem fins lucrativos Miyamoto Global Disaster Relief, também elogiou a comunidade na Turquia que se uniu e “fez sua parte” após o terremoto.

“A comunidade, os cidadãos, são eles que estão na primeira linha de defesa”, disse ele à CNN na quarta-feira. “Eles desenterraram familiares, amigos, vizinhos”.

Mas outros especialistas alertam que a janela para busca e salvamento pós-terremoto está se fechando rapidamente. Ilan Kelman, professor de desastres e saúde da University College London, disse: “Normalmente, poucos sobreviventes são retirados após 72 horas – mas cada vida salva é essencial e algumas pessoas são libertadas depois de muitos dias”.

Ele acrescentou: “O tempo é sempre o inimigo, como visto na Turquia e na Síria. As pessoas morrem devido a necessidades médicas imediatas, como sangrar até a morte ou sucumbir a ferimentos por esmagamento; devido a tremores secundários que derrubam estruturas precárias com pessoas embaixo; e devido ao clima que caiu abaixo de zero à noite e que esfriou durante o dia, as pessoas morreram por hipotermia. Muitos morrem por falta de comida e água enquanto aguardam resgate”.

Por que terremotos acontecem?

Os terremotos ocorrem em todos os continentes do mundo – desde os picos mais altos nas montanhas do Himalaia até os vales mais baixos, como o Mar Morto, até as regiões extremamente frias da Antártica. No entanto, a distribuição desses terremotos não é aleatória.

O USGS descreve um terremoto como “o tremor do solo causado por um deslizamento repentino em uma falha.

Tensões na camada externa da terra empurram os lados da falha juntos. O estresse aumenta e as rochas deslizam repentinamente, liberando energia em ondas que percorrem a crosta terrestre e causam o tremor que sentimos durante um terremoto.

Os terremotos são medidos usando sismógrafos, que monitoram as ondas sísmicas que viajam pela Terra após um terremoto.

Muitos podem reconhecer o termo “Escala Richter” que os cientistas usaram anteriormente por muitos anos, mas hoje em dia eles geralmente seguem a Escala de Intensidade Mercalli Modificada (MMI), que é uma medida mais precisa do tamanho de um terremoto, de acordo com o USGS.

Quão grande é um terremoto de magnitude 7,8?

A força de um terremoto é conhecido como magnitude.

A intensidade do tremor pode variar dependendo da geografia e topografia local e da profundidade do terremoto. Na escala de magnitude, cada aumento de um número inteiro se traduz em 32 vezes mais energia.

Nesta ocasião, o tremor do terremoto de magnitude 7,8 no sul da Turquia pôde ser sentido até Israel e o Líbano, a centenas de quilômetros de distância.

A Turquia não é estranha a fortes terremotos, pois está situada ao longo dos limites das placas tectônicas. Sete terremotos com magnitude 7,0 ou superior atingiram o país nos últimos 25 anos – mas o de segunda-feira foi um dos mais fortes.

É também o terremoto mais forte a atingir qualquer lugar do mundo desde que um terremoto de magnitude 8,1 atingiu uma região perto das Ilhas Sandwich do Sul, no sul do Oceano Atlântico, em 2021, embora a localização remota desse incidente tenha causado poucos danos.

O terremoto de 6 de fevereiro é o mais forte na Turquia em mais de 80 anos – e um dos mais mortais

Por que há tantos terremotos na Turquia?

O meteorologista da CNN e especialista em clima severo, Chad Myers, disse: “sempre falamos sobre o epicentro, mas, neste caso, devemos falar sobre a epi-linha”.

Duas enormes placas tectônicas – a arábica e a eurasiana – se encontram sob as províncias do sudeste da Turquia.

Ao longo dessa linha de falha, “cerca de 160 quilômetros de um lado ao outro, a terra escorregou”, continuou Myers.

Os sismólogos referem-se a este evento como um “deslize” – “onde as placas se tocam e, de repente, deslizam para o lado”, disse Myers.

Isso é diferente do Anel de Fogo, que corre ao longo da costa oeste dos Estados Unidos.

Nesta zona, terremotos e tsunamis são frequentemente causados ​​por subducção – onde uma placa desliza abaixo da outra. Mas em um “escorregamento”, as placas se movem horizontalmente, em vez de verticalmente.

“Isso importa porque os prédios não querem ir e voltar. E então as ondas secundárias começam a ir e vir também”, acrescentou Myers.

Devido à natureza desse evento sísmico, os tremores secundários podem durar “semanas e meses”, segundo a meteorologista da CNN Karen Maginnis.

Comparação com outros terremotos globalmente

Em comparação com outros grandes terremotos em todo o mundo, o terremoto e tsunami de 2011 no Japão – no qual mais de 22.000 pessoas morreram ou desapareceram – registrou uma magnitude de 9,1.

Esse incidente deixou um rastro de destruição generalizada depois que paredes de água engolfaram cidades inteiras, arrastaram casas para rodovias e causaram o pior desastre nuclear já registrado no país.

Estima-se que um ano antes, em 2010, um terremoto de magnitude 7,0 no Haiti matou entre 220.000 a 300.000. Outras 300.000 pessoas ficaram feridas e milhões foram deslocadas.

Em 2004, um terremoto com magnitude estimada de 9,1 atingiu a costa de Sumatra, na Indonésia, causando um tsunami que deixou 227.898 pessoas mortas ou dadas como desaparecidas e dadas como mortas.

O terremoto mais forte registrado foi de magnitude 9,5 no Chile em 1960, de acordo com o USGS.

Fonte: CNN

Publicidade

Facebook