Estamos nas Redes

Internacional

OMS diz ter confiança em dados sobre mortos na Faixa de Gaza

Publicado

on

Israel questionou precisão do levantamento dos dados do Ministério da Saúde palestino. Porta-voz da organização acrescentou que é “normal” que número de mortos mude em conflitos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou, nesta terça-feira (14), total confiança nos números de mortos do Ministério da Saúde de Gaza, afirmando que a organização está prestes a confirmar a escala de perdas registrada pelo Hamas, depois que Israel questionou uma mudança nos números.

Na semana passada, o Ministério da Saúde de Gaza atualizou o levantamento de mortes para cerca de 35 mil desde 7 de outubro, dizendo que cerca de 25 mil delas foram totalmente identificadas até o momento, das quais mais da metade eram mulheres e crianças.

Isso provocou alegações de Israel de imprecisão, já que as autoridades palestinas haviam estimado anteriormente que mais de 70% dos mortos eram mulheres e crianças. As agências da ONU republicaram os números palestinos, que desde então subiram para mais de 35 mil mortos, citando a fonte.

“Não há nada de errado com os dados, os dados gerais (mais de 35 mil) ainda são os mesmos”, disse o porta-voz da OMS Christian Lindmeier, em uma coletiva de imprensa em Genebra, em resposta a perguntas sobre o número de mortos. “O fato de termos agora 25 mil pessoas identificadas é um passo à frente”, acrescentou.

Com base em sua própria extrapolação dos dados palestinos mais recentes, ele disse que cerca de 60% das vítimas eram mulheres e crianças, e que muitos corpos enterrados sob escombros provavelmente se enquadrariam nessas categorias quando fossem identificados.

O porta-voz da organização acrescentou que é “normal” que o número de mortos mude em conflitos, lembrando que Israel havia revisado para baixo seu próprio número de mortos nos ataques do Hamas em 7 de outubro, para 1,2 mil após verificações.

“Estamos falando basicamente de 35 mil pessoas mortas, e realmente cada vida é importante, não é?”, disse Liz Throssel, porta-voz do escritório de direitos humanos da ONU, na mesma entrevista. “E sabemos que muitas e muitas dessas pessoas são mulheres e crianças e há milhares de desaparecidos sob os escombros.”

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Facebook