Estamos nas Redes

Internacional

Israel demite oficiais após ataque contra trabalhadores humanitários

Publicado

on

Um inquérito israelita ao assassinato de sete trabalhadores humanitários num ataque aéreo em Gaza esta semana encontrou erros graves e violações de procedimentos por parte dos militares, o que resultou na demissão de dois oficiais e na repreensão formal de comandantes superiores

O inquérito concluiu que as forças israelitas acreditaram erradamente que estavam a atacar homens armados do Hamas quando ataques de drones atingiram os três veículos do grupo de ajuda World Central Kitchen na noite de segunda-feira, e que os procedimentos padrão foram violados.

“O ataque aos veículos de ajuda é um erro grave decorrente de uma falha grave devido a uma identificação errada, erros na tomada de decisões e um ataque contrário aos Procedimentos Operacionais Padrão”, disseram os militares num comunicado divulgado esta sexta-feira.

A divulgação dos resultados do inquérito foram conhecidos depois mais apelos feitos na quinta-feira para que Israel explicasse seu ataque aéreo a um comboio em Gaza que matou os sete trabalhadores humanitários da World Central Kitchen. A instituição de caridade alimentar disse que pedira à Austrália, Grã-Bretanha, Canadá, Polónia e Estados Unidos que exigissem “uma investigação independente e de terceiros sobre estes ataques, incluindo se foram realizados intencionalmente ou violaram o direito internacional”.

Os mortos no ataque de segunda-feira incluíram um palestiniano, três cidadãos britânicos, um cidadão polonês, um australiano e um cidadão canadiano-americano.

As conclusões da investigação indicam que o incidente não deveria ter ocorrido. Aqueles que aprovaram o ataque estavam convencidos de que o alvo era agentes armados do Hamas e não funcionários da WCK.

A forcas de segurança israelitas disseram que apresentaram as conclusões à WCK e não tinham certeza de como a organização responderia. Após o incidente, a WCK suspendeu todas as operações na Faixa de Gaza e parecia inclinada a encerrar permanentemente todas as operações.

Após ser apresentado e considerando os resultados da investigação, o Chefe do Estado-Maior General das FDI decidiu que serão tomadas as seguintes medidas de comando: o comandante do apoio de fogo da brigada, oficial com patente de major, será demitido do seu cargo. O chefe do Estado-Maior da Brigada, oficial com patente de coronel da reserva, será destituído do cargo. Além disso, o comandante da brigada e o comandante da 162ª Divisão serão formalmente repreendidos. O Chefe do Estado-Maior das FDI decidiu repreender formalmente o comandante do Comando Sul pela sua responsabilidade geral pelo incidente.

Foto: Reprodução

Publicidade

Facebook