Estamos nas Redes

Internacional

Biden diz que Netanyahu comete “erro” na guerra em Gaza

Publicado

on

Presidente dos EUA pede que Israel permita um cessar-fogo

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse em uma entrevista publicada na terça-feira (9) que a abordagem do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na guerra em Gaza é um “erro”, fazendo críticas adicionais à condução do conflito por Israel.

“Acho que o que ele está fazendo é um erro. Eu não concordo com a abordagem dele”, disse Biden em comentários à Univision, uma rede de TV em espanhol dos EUA.

Biden também já chamou os bombardeios de Israel em Gaza de “indiscriminados” e suas ações militares de “exageradas”.

A Casa Branca disse na semana passada que o presidente, em uma ligação com Netanyahu, ameaçou tornar condicional o apoio dos EUA à ofensiva de Israel, condicionando-o a tomar medidas concretas para proteger trabalhadores de ajuda humanitária e civis. Essa ligação ocorreu após um ataque aéreo israelense que matou sete funcionários do grupo de ajuda World Central Kitchen.

“O que estou pedindo é para que os israelenses simplesmente peçam um cessar-fogo, permitam, nas próximas seis, oito semanas, acesso total a todos os alimentos e medicamentos que entram no país”, disse Biden na entrevista de terça-feira.

O assalto militar de Israel a Gaza tem sido alvo de crescentes críticas internacionais. Internamente, Biden também enfrentou meses de protestos de ativistas anti-guerra, muçulmanos e árabes-americanos em todo o país, que têm exigido um cessar-fogo permanente em Gaza e restrições à assistência militar dos EUA a Israel.

O ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro matou 1.200 pessoas, segundo contagem israelense. O subsequente ataque militar de Israel à Gaza governada pelo Hamas matou mais de 33.000, segundo o ministério da saúde local, deslocou quase toda a sua população de 2,3 milhões e levou a alegações de genocídio, que Israel nega. O enclave costeiro também sofre de fome generalizada.

Israel tem recebido mais ajuda externa dos EUA do que qualquer outro país desde a Segunda Guerra Mundial, embora a assistência anual tenha sido superada por dois anos pelo financiamento e equipamento militar enviado para a Ucrânia desde a invasão russa de 2022.

Os Estados Unidos tradicionalmente protegeram Israel no Conselho de Segurança da ONU e vetaram três projetos de resolução sobre a guerra em Gaza. No mês passado, se abstiveram quando o Conselho de Segurança exigiu um cessar-fogo imediato.

Foto: Jim Watson/AFP

Fonte: Agência Brasil

Publicidade

Facebook