Estamos nas Redes

Amazonas

Boletim revela epidemia de mortalidade entre motociclistas no Amazonas

Publicado

on

O mais recente Boletim Epidemiológico, divulgado na quinta-feira (08/05), detalha o cenário da Mortalidade por Acidentes de Transporte Terrestre de Motociclistas no Amazonas, abrangendo o período de 2019 a 2023. O documento, disponível em https://abre.ai/jHXs, revela um total de 2.090 óbitos registrados por acidentes de transporte terrestre durante esse intervalo, com a maioria das fatalidades envolvendo motociclistas.

Nayara Maksoud, secretária de Estado de Saúde, enfatiza a relevância da campanha ‘Saúde no Trânsito’, promovida pelo Governo do Amazonas, diante desse cenário alarmante. A campanha visa conscientizar a população sobre a imprudência no trânsito e alertar para o aumento dos casos atendidos de vítimas de acidentes de trânsito na rede de Saúde.

“Temos aqui uma questão social preocupante, pois estamos perdendo jovens vidas e vendo seus meios de sustento prejudicados devido a lesões decorrentes desses acidentes”, destaca Nayara.

Tatyana Amorim, diretora-presidente da FVS-RCP, ressalta que a prevenção de acidentes de trânsito é uma responsabilidade compartilhada e que cada indivíduo deve zelar pela vida, pois os óbitos representam tragédias evitáveis.

O boletim revela uma predominância significativa de óbitos entre motociclistas, totalizando 52% do número total de fatalidades durante o período analisado. Entre os municípios amazonenses com as maiores taxas de mortalidade por acidentes de transporte terrestre envolvendo motocicletas estão Rio Preto da Eva, Apuí, Iranduba e Silves.

A análise dos dados também destaca que a maioria dos óbitos ocorre entre indivíduos do sexo masculino (86%) e na faixa etária de 20 a 39 anos (59,1%). Os fins de semana, especialmente os domingos, registram o maior número de óbitos, sugerindo a influência de fatores comportamentais, como aumento do lazer e consumo de álcool, contribuindo para situações de risco no tráfego.

Cassandra Torres, coordenadora da vigilância de violências e acidentes (VIVA) do Departamento de Vigilância Epidemiológica (DVE) da FVS-RCP, destaca a importância de ações conjuntas para reduzir esses números alarmantes.

“A faixa etária mais afetada corresponde a uma parcela significativa da população economicamente ativa. A divulgação desses dados visa estimular ações interinstitucionais direcionadas para educação no trânsito e prevenção desses acidentes”, ressalta Cassandra.

Boletim epidemiológico

O Boletim Epidemiológico da Mortalidade por Acidentes de Transporte Terrestre de Motociclistas no Estado do Amazonas de 2019 a 2023 tem o objetivo de descrever o cenário da mortalidade por esses acidentes de forma que o estudo possa funcionar como subsídio para ações de prevenção desses casos. Os dados sobre óbitos foram extraídos do banco de dados do Ministério da Saúde.

Foto: Divulgação/Secom

Publicidade

Facebook