Conecte-se Conosco

Prefeitura

Prefeitura de Manaus intensifica obras de infraestrutura no bairro Coroado

Publicado

em

A Prefeitura de Manaus trabalha na recuperação de drenagem profunda, rompida na rua Urucum, conjunto Ouro Verde, no bairro Coroado 3, zona Sul da cidade. Os serviços foram iniciados nesta sexta-feira, 21/1, de forma emergencial. Duas equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) trabalham na troca das tubulações  que foram comprometidas pela ação do tempo, provocando uma erosão e, consequentemente, o afundamento da via.

De acordo com a engenheira da Seminf, Márcia Pantoja, responsável  pelo distrito de obras da área, o rompimento de drenagem é sempre uma situação complexa que exige uma ação imediata.

“Estamos todos os dias nas ruas e ao identificarmos o afundamento da via, agimos de imediato, como determina o prefeito David Almeida e o vice-prefeito e secretário de Infraestrutura, Marcos Rotta. Estamos utilizando uma tecnologia mais moderna, que garantirá uma durabilidade maior ao serviço”, explicou Márcia.

Os tubos estão sendo substituídos por peças de concreto, e além do serviço de drenagem profunda, a via receberá  a drenagem superficial, com a colocação de meios-fios e sarjetas.

Outra frente de trabalho atua com hidrojatos na manutenção  das redes de drenagem do bairro do Coroado. A manutenção do sistema é importante para que, em dias de chuva, a água possa escoar e não provocar alagamentos por entupimentos.

Um caminhão equipado com mangueiras e reservatório de água auxilia os funcionários da prefeitura a retirar os detritos acumulados nas caixas e galerias. Se o depósito de sujeira for volumoso, usa-se a mangueira para sugar a sujeira, mas, se o problema estiver dentro da tubulação, utiliza-se água em alta pressão com o objetivo de desobstruir a rede.

O hidrojato de alta pressão é seguro e eficaz. A força da água remove a sujeira presente nas tubulações que impede o fluxo, preservando a integridade da superfície, removendo objetos que não seriam possíveis sem a alta pressão e vazão de água.

Texto – Valesca Martins / Seminf

Fotos – Márcio Melo / Seminf